Salvador, 01 de Outubro de 2014
Winamp windows Media Player Real Player QuickTime
Baixar na App Store
Galaticos Online

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Auditado pelo IVC

Médica continua na enfermaria do presídio e recebe visita da família

Por: Caroline Gois (twitter: @goiscarol) - 23 de Outubro de 2013 - 10h12

  • 0
Há quase uma semana presa no Complexo Penintenciário da Mata Escura, em Salvador, a médica Kátia Vargas, indiciada pelo Ministério Público por homicído triplamente qualificado por causa da morte dos irmãos Emanuel e Emanuela no bairro da Ondina, no último dia 11, permanece na enfermaria do Presídio Salvador, dentro do Complexo. De acordo com fontes ligadas ao site Bocão News, a oftalmologista está sedada e recebendo atendimento psicológico. Ainda conforme as fontes, ela já tem noção de tudo que aconteceu e quando é questionada sobre o fato não diz uma palavra e chora constantemente. Por isso, o uso dos remédios antidepressivos. 

No domingo (20), familiares de Kátia foram até o presídio visitá-la. Todos que entravam no local saíam muito abalados. A cada domingo, duas pessoas apenas podem entrar para a visita que ocorre apenas neste dia. De acordo com fontes, o marido de Kátia, que também é oftalmologista e sócio na clínica Ocular junto com ela, ainda não foi até o Complexo Peninteciário por estar à base de medicamentos desde o ocorrido. Kátia estaria se alimentando com comida levada pelos familiares.
 
No dia 17, com colete ortopédico no pescoço, cabelo preso e desespero ao ver a imprensa na saída da hospital Aliança que quase a fez recuar para dentro da unidade, local onde ela estava internada desde o dia do acidente, a médica foi para a prisão.
 
Kátia Vargas Leal, de 45 anos, deixou o Aliança acompanhada dos advogados, da delegada Jussara Souza e do delegado de defesa da família dos jovens, Daniel Keller, além do promotor David Gallo. "O MP defende os direitos da sociedade e direitos indivuduais que a doutora Kátia também tem e, claro, terão que ser observados. Por isso, diante dos fatos, a prisão preventiva decretada pela Justiça começa a ser cumprida hoje. Ela agora está recolhida e será denunciada, além d eprocessada e no final é a própria sociedade que vai decidir já que a intenção da defesa das vítimas é que ela vá à júri popular", afirmou Gallo, ao deixar o Complexo Penitenciário da Mata Escura. 
 
 
No local, onde a médica poderia ter prestado depoimento, ela usou de um direito constitucional e prefeiriu ficar calada. "Ela não disse nada sobre o assunto. Disse apenas que só irá falar perante o juiz", afirmou as Bocão News, o advogado da família dos jovens, Daniel Keller. A médica ficará em cela comum, separada das outras detentas.
 
Kátia será indiciada por prática de homicídio com três vertentes qualificadores: motivo torpe, resultado de uma vingança; por perigo comum, criado para as pessoas que transitavam pelo local; e pela notória falta de defesa das vítimas. A pena pode ser de 24 a 60 anos, devido ao duplo homicídio. 

A vida na prisão

 
Desde que chegou ao presídio, a médica passou por exames obrigatórios para todas as internas que chegam à cadeia, a exemplo de avaliações ginecológicas. O espaço onde Kátia irá ficar quando sair do centro médico é pequeno e está equipado unicamente com uma cama, uma mesa e um vaso sanitário. Kátia Vargas ficará neste local até que o inquérito seja encerrado, o que pode ocorrer em até 10 dias. Após o processo, seus advogados poderão entrar com pedido de habeas corpus.

Notícias sobre o caso>>

Morte de irmãos na Ondina: “só a mãe sabe o que significa sofrer”, diz padre


Irmãos mortos na Ondina: médica é indiciada por crime triplamente qualificado 

0 Comentário

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

Relacionadas

  • Auditado pelo IVC